IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Histórico

Categorias

Veja as profissões mais procuradas na batalha do Brasil por produtividade

José Paulo Kupfer

14/08/2019 04h00

Para atender às necessidades das novas formas de produção, mais intensas em tecnologia, o Brasil terá de qualificar, até 2023, 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação profissional e aperfeiçoamento. É esse o desafio apontado pelo "Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023", levantamento do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), divulgado nesta segunda-feira (12).

Nos próximos três anos e meio, de acordo com o estudo, a ocupação que apresentará a maior procura pelas empresas será a de condutor de processos robotizados. O número de vagas disponíveis para essa ocupação aumentará 22,4%, no período, enquanto o crescimento médio das ocupações industriais ficará em 8,5%.

O tipo de trabalhador mais procurado será o "transversal", aquele profissional que pode atuar em várias áreas diferentes, desempenhando funções em pesquisa e desenvolvimento, controle de produção e desenho industrial. Segundo o "Mapa" serão 1,7 milhão de vagas para essa atividade, seguida de perto pela metalmecânica (1,6 milhão), construção (1,3 milhão), logística e transporte (1,2 milhão), alimentos (754 mil), informática (528 mil), eletrônica (405 mil) e energia e telecomunicações (359 mil).

Veja a seguir a lista das profissões de nível superior que serão mais procuradas pela indústria até 2023:

Ocupações industriais de nível superior com maior demanda por formação 

Ocupações

Profissionais a serem qualificados

Analistas de tecnologia da informação

305.172

Engenheiros civis e afins

57.399

Gerentes de produção e operações em empresa da indústria extrativa, de transformação e de serviços de utilidade pública

54.940

Engenheiros de produção, qualidade, segurança e afins

40.283

Gerentes de tecnologia da informação

29.912

Engenheiros eletricistas, eletrônicos e afins

29.237

Engenheiros mecânicos e afins

28.963

Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

25.141

Administradores de tecnologia da informação

23.905

Gerentes de manutenção e afins

18.182

Gerentes de suprimentos e afins

17.865

Gerentes de pesquisa e desenvolvimento e afins

15.021

Arquitetos e urbanistas

14.252

Pesquisadores de engenharia e tecnologia

13.968

Engenheiros químicos e afins

10.116

Gerentes de operações de serviços em empresa de transporte, de comunicação e de logística (armazenagem e distribuição)

9.440

Engenheiros em computação

8.061

Químicos

7.870

Qualificar esse grande contingente de trabalhadores será um desafio e tanto, até mesmo para o Senai, uma das maiores estruturas de ensino profissionalizante do mundo, capaz de absorver quase 2,5 milhões de novos alunos todos os anos. Mas o desafio não se limita ao esforço de qualificar esse exército de pessoas, suficiente para lotar mais de uma centena de estádios como o Maracanã.

Os problemas de adaptação da economia brasileira — e principalmente de sua indústria — aos padrões da empresa digitalizada e conectada 4.0, que já é uma realidade em bom pedaço do mundo, são múltiplos e complexos. Estão presentes dentro e fora das fábricas e escritórios.

Esses problemas se expressam na baixa produtividade da economia, retratada pela relação entre o volume do PIB (Produto Interno Bruto) e o número de horas trabalhadas para produzi-lo. Atualmente, a produtividade do trabalhador brasileiro equivale a 25% da produtividade do trabalhador americano e a 30% da obtida pelos trabalhadores alemães e coreanos.

Significa, em termos práticos, que o trabalhador brasileiro leva uma hora para fazer o que o americano faz em 15 minutos e o alemão ou o coreano produz em 20 minutos. Embora nem sempre tenha sido assim — entre 1950 e 1980, a produtividade do trabalhador brasileiro subiu de 27% para 45% da do americano —, nos últimos 35 anos houve um refluxo, e a distância retornou a 25%. Voltamos ao nível em que estávamos há 70 anos.

As deficiências de qualificação do trabalhador brasileiro são um óbvio e importante fator limitador do aumento da produtividade, mas não o único. Além do capital humano, também o capital físico, representado por máquinas, equipamentos, tecnologias e processos, desempenha papel decisivo na promoção da produtividade.

Ambos estão atrasados em relação às necessidades competitivas brasileiras. "Só 8% dos jovens brasileiros fazem formação técnica em engenharia, enquanto na Alemanha são 50%", lembra Rafael Lucchesi, diretor geral do Senai. "Mas também dificulta o fato de a idade média dos equipamentos instalados nas fábricas brasileiras ser, por exemplo, o dobro da americana".

Mesmo que o quadro fosse mais favorável nesses dois itens, faltariam outros elementos para impulsionar a produtividade. Condições de financiamento e, de um modo geral, o ambiente de negócios completam o conjunto de fatores que, quando propícios, favorecem elevações de produtividade, mas, no Brasil, atuam como barreiras.

Empreender e tocar negócios no Brasil é tarefa para gigantes. O emaranhado de leis e normas, que produz insegurança jurídica permanente, se une à burocracia e à exaustiva atividade de manter o pagamento de tributos em dia.

Tudo isso desestimula o investimento em geral e, especificamente, em inovação. Pesquisa publicada em 2018 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontou que 75% das empresas consultadas – ou seja, três em cada quatro – apresentavam apenas graus básicos de digitalização. Empresas na fronteira tecnológica somavam apenas 1,6% da amostra.

O volume total de investimento em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D), no Brasil, sempre foi muito baixo em comparação com outros países. Dados anteriores à grande crise iniciada em 2014 indicavam gastos em P&D em torno de US$ 30 bilhões por ano, equivalentes a 1,3% do PIB, dos quais nem 40% correspondiam à fatia do setor privado.

Esse montante colocava o país, em termos absolutos, na décimo lugar entre os que mais aplicavam em P&D. Em proporção do PIB, porém, o Brasil despencava para a 36ª posição. Como reflexo da crise econômica, os números de hoje, segundo especialistas, devem ser ainda mais modestos. 

A perda de impulso no esforço de modernização e inovação, contudo, é anterior a esta última crise econômica e se mostrou presente pelo menos desde o início da década de 2000. O resultado é que, segundo publicação do Ipea sobre o mercado de trabalho, contrastando com a elevação da escolaridade dos trabalhadores, do aumento da formalização do trabalho e da renda, não houve, no período, geração significativa de empregos qualitativamente melhores.

Sobre o Autor

Jornalista profissional desde 1967, foi repórter, redator e exerceu cargos de chefia, ao longo de uma carreira de mais de 50 anos, nas principais publicações de São Paulo e Rio de Janeiro. Eleito “Jornalista Econômico de 2015” pelo Conselho Regional de Economia de São Paulo/Ordem dos Economistas do Brasil, é graduado em economia pela FEA-USP e integra o Grupo de Conjuntura da Fipe-USP. É colunista de economia desde 1999, com passagens pelos jornais Gazeta Mercantil, Estado de S. Paulo e O Globo e sites NoMinimo, iG e Poder 360.

Sobre o Blog

Análises e contextualizações para entender o dia a dia da economia e das políticas econômicas, bem como seus impactos sobre o cotidiano das pessoas, sempre com um olhar independente, social e crítico. Finanças pessoais e outros temas de interesse geral fazem parte do pacote.

Blog do José Paulo Kupfer