PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

José Paulo Kupfer

Saiba as profissões que serão mais procuradas até 2023 em cada estado

José Paulo Kupfer

01/10/2019 04h00

* Erramos: este conteúdo foi alterado

Dos 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações na indústria que terão de ser qualificados até 2023, mais de 70% se concentram nas regiões Sudeste e Sul.  São Paulo, com procura estimada em 3,3 milhões, Minas Gerais, com 1.17 milhão e Paraná, com 852 mil são os três primeiros entre todos os estados brasileiros. Esse é o quadro apontado no desdobramento regional do "Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023", levantamento do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial).

Nos três estados, um contingente de 5,3 milhões de trabalhadores terão de ser treinados para atender às necessidades das novas formas de produção, mais intensas em tecnologia, nos próximos três anos e meio. Depois desse primeiro pelotão aparecem Rio Grande do Sul, com 830 mil trabalhadores a serem capacitados, Santa Catarina, com 785,3 mil, e Rio de Janeiro, com 656,2 mil.

Desse total, porém, só uma parte dos profissionais que devem passar por capacitação, entre 20% e 26%, corresponde a ingressantes no mercado de trabalho ou trabalhadores que ocuparão vagas deixados por quem se aposenta. Eles somam 26% do total, em Minas, 24%, em São Paulo e 21%, no Rio. A grande maioria dos trabalhadores necessitados de treinamento é formada por profissionais já empregados.

Veja abaixo a relação da procura estimada por profissionais qualificados até 2023, em cada estado, segundo o levantamento do Sesi:

Procura por profissionais qualificados até 2023

Estado

São Paulo                                                                 3.322.785
Minas Gerais                                                           1.175.667
Paraná                                                                        852.045
Rio Grande do Sul                                                    830.181
Santa Catarina                                                          785.288
Rio de Janeiro                                                          656.257
Bahia                                                                          389.750
Goiás                                                                          322.953
Ceará                                                                          277.510
Pernambuco                                                             270.982
Mato Grosso                                                             189.717
Pará                                                                            189.622
Espírito Santo                                                          184.449
Mato Grosso do Sul                                                142.575
Amazonas                                                                 142.089
Rondônia                                                                  124.332
Distrito Federal                                                       118.688
Paraíba                                                                        99.118
Maranhão                                                                   88.344
Rio Grande do Norte                                                85.901
Sergipe                                                                         63.183
Alagoas                                                                        62.495
Piauí                                                                             51.863
Tocantins                                                                    41.807
Acre                                                                              13.555
Amapá                                                                         10.759
Roraima                                                                        8.667

Total                                                                10.500.582

O esforço de capacitação profissional terá de se dar em todos os níveis de formação profissional — superior, técnico, de qualificação e aperfeiçoamento. Em São Paulo, por exemplo, no caso das ocupações de nível superior, as áreas com maior procura por capacitação, entre 2019 e 2023, serão a de informática, gestão e metalmecânica. A ocupação mais demandada será a de analista de tecnologia da informação, com procura projetada em 140,2 mil trabalhadores. Em seguida, mas bem abaixo, com procura por 17 mil profissionais, vêm os gerentes de produção e operação, assim como os engenheiros civis, também com 17 mil postos requisitados.

No nível técnico, em São Paulo, as áreas que mais vão demandar capacitação profissional são as transversais, metalmecânica, logística e transporte, eletroeletrônica e informática. Profissionais com qualificação transversal trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção. As profissões que mais exigirão qualificação, até 2023,  serão justamente as de técnicos de controle de produção, técnicos de planejamento e controle de produção e técnicos em eletrônica.

As mesmas áreas e ocupações mais procuradas em São Paulo serão, em geral, também as mais procuradas nos demais estados. Em Minas e Rio de Janeiro, além daquelas com destaque em São Paulo, aparece a área da construção. Entre os profissionais mais requisitados, no nível superior, engenheiros — civis, mecânicos, eletricistas e eletrônicos — encabeçam as listas. No nível técnico, além das mesmas destacadas em São Paulo, carreiras ligadas à construção civil terão, de acordo com o Mapa do Sesi, procura mais intensa.

* Errata: o texto foi atualizado
1/10/2019 às 09h45
O texto informava incorretamente, no primeiro parágrafo, que o estudo "Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023" foi feito pelo Sesi. Na verdade, foi feito pelo Senai. A informação foi corrigida.

Sobre o Autor

Jornalista profissional desde 1967, foi repórter, redator e exerceu cargos de chefia, ao longo de uma carreira de mais de 50 anos, nas principais publicações de São Paulo e Rio de Janeiro. Eleito “Jornalista Econômico de 2015” pelo Conselho Regional de Economia de São Paulo/Ordem dos Economistas do Brasil, é graduado em economia pela FEA-USP e integra o Grupo de Conjuntura da Fipe-USP. É colunista de economia desde 1999, com passagens pelos jornais Gazeta Mercantil, Estado de S. Paulo e O Globo e sites NoMinimo, iG e Poder 360.

Sobre o Blog

Análises e contextualizações para entender o dia a dia da economia e das políticas econômicas, bem como seus impactos sobre o cotidiano das pessoas, sempre com um olhar independente, social e crítico. Finanças pessoais e outros temas de interesse geral fazem parte do pacote.